Primeiro texto: Pião.

Author: Henrique Alvez / Marcadores:


Não tem lá muito lirismo e as rimas talvez pudessem ser melhores, mas eu gosto muito desse poema e quero deixá-lo como primeiro texto postado.




Pião
(mim)

Se houvesse um pião gigante
Que girasse sem destino
Apenas rumo ao distante
A vida ele seria.

Precisaria de cadeiras
Que funcionassem como um grande carrossel
Oscilante
Vacilante
“Girante”
Dançando a mais pertinaz dança viandante

A vida funciona assim
sem sentido
Como tal coisa tão intangível.
Mas não importa...
A questão é que permaneça constante,
Sempre sem direção
Apenas rumo ao distante.

A verdade é verdadeira (Oh, vã redundância)
Cada um cuida dos círculos que desenha no chão
Mesmo que precise retornar um dia
E despedir-se destes em questão
Para que outro possa passar nesta tão incerta desarmonia.

Está ruim assim por que fiz há um bom tempo, mas decidi não concertá-lo. Gosto dele assim ^^.
bjmeliga

25 comentários:

Daniel disse...

Gostei do texto, diferente e belo!
Parabéns!

http://www.e9adm.com.br

seuvicio disse...

Os primeiros textos dão o tom na produção posterior, por mais q se desenvolva as idéias e se encontre novas soluções para os velhos problemas.

Neuro-Musical disse...

Nossa
Gostei bastante... Boa Sorte com o blog!

http://cerebro-musical.blogspot.com

Rafaela Zerbinatti disse...

Gostei, pra valer (:

Thiago Damião disse...

Tem umas coisas boas. =]

Esther Saldanha disse...

Uma breve viajem pela mente desequilibrada e incerta.
Eu gostei ;]

eudesRocker disse...

Krak, Legal a beça parabéns pelo blog :)

Bersebah disse...

É incrivel...quanto mais vejo bons blogs por ai, penso que nada mais de interessante, e bem elaborado, do que tenho visto irei encontrar, mas, devo dizer, que seu blog é muito bem arrumado.

Parábens pelo desing, e o colorido muito bem organizado, que ja encantam logo no entrar aqui.

Considera seu texto ruim? por que?

Desenhando mentalmente cada paragrafo do texto, pareceu profundo e bem interessante a "vida" do peão para mim(sendo peão o brinquedo).

A vida é bem isso, como um peão, que gira, por um gatilho só, sem se saber qual o rumo ira, nem quando ira parar de rodar, e de forma terminara(caira assim ou assado).

Parábens pelo blog, e pelo incentivo a leitura.

Visite me se desejar, e de sua opinião se gostar de alguma coisa

Deyris Almeida disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
kris disse...

Arrazou, no template, no poema, e com certeza vai continuar arrazando.
Começou muito bem!
Bem vindo a blogosfera.
Sucesso!
Bjos

João Victor Borges disse...

cara, vou te falar que há muito tempo não encontro poema tão bonito e subjetivo na blogosfera. E eu adoro textos com esse quê de subjetividade porque, afinal, nada na vida é certo.

um conselho: confie mais na sua escrita, cara. 'a verdade é verdadeira', e daí que é redundância? o ato de escrever é revigorante por não ter limites, e mesmo 'erros' aqui e ali fazem do seu texto a maior das obras de arte.

parabéns mesmo pelo texto, te garanto que vai ficar marcado com um dos meus favoritos, adorei a forma como a analogia entre vida e peão foi feita.

e pra finalizar, vou seguir e esperar por mais obras como essa. ;D

http://anpulheta.blogspot.com

八洲商店 disse...

Muito bom!! A leitura é realmente muito importante! Adorei o seu blog e espero por mais textos assim. Um grande abraço!!

Loja Yashima

www.yashimashoten.blogspot.com

Ps: escrevo sobre cultura japonesa em geral! Se possível, dê uma olhada.

jaka disse...

Excêntrico

@thiagoenfer disse...

show eneehenh......

Glen Pace disse...

Está bom, até porque como você disse os erros não foram consertados e ficou meio repetitivo, mas enfim, cada um tem seu modo de escrever. :}

Voadora de Saci disse...

Legal mesmo, sorte ae com o blog esta bem legal :D

aengenhariaeletrica disse...

eu gostei cara.
abraço

Leandro Sans. disse...

Maneiro cara curti o texto e o blog também...
:)

Funny World disse...

Muito legal !

to seguindo o blog ;)

Vc curte rock? disse...

Repercutindo

...A questão é que permaneça constante,
Sempre sem direção
Apenas rumo ao distante...

Z.K. disse...

O texto tá legal mano!
Parabéns!!

segue e comenta lá?!
http://the-secret-letters.blogspot.com

Pobre esponja disse...

Também tenho poemas que, comparados aos meus de hoje deixm a dever, mas pela capacidade que tinha no momento e pela emoção, aprecio-os tanto quanto outros mais maduros. Parabéns pelo texto.

abç
Pobre Esponja

Vinicius Oliveira disse...

maneiro o texto, é um texto diferente, gostei mesmo
http://viniciusoliveiraa.blogspot.com/ comente?

vdeogratis disse...

Bacana o poema, uma analogia interessante
.
Parabéns pelo blog.Muito bonito o layout.
Faça um avisita ao meu
.
http://www.mundo4rodas.blogspot.com/
.
Abraço

Nova Década disse...

fico sem palavras, lendo suas palavras...
Elas já disem tudo...
Você é muito bom com isso que faz. ***já fã*** rsrsrs

Postar um comentário

Evitem enviar o link do seu blog junto com o comentário, e principalmente coisas como: "visite meu blog + link".... Faça isso e não haverá visita.

Pages